sábado, 29 de março de 2014

A influência da mídia no período da ditadura

Em 1964, a democracia brasileira foi interrompida por um golpe de estado que contou com o apoio quase total da mídia. Após a derrubada do governo de João Goulart e com o estabelecimento da ditadura, censores passaram a controlar o que era noticiado na imprensa e a censurar programas de entretenimento. O Ver TV desta semana discute o papel da televisão no golpe de 64 e sua atuação durante os vinte e um anos de ditadura.

Participam do programa a historiadora Beatriz Kushnir, diretora geral do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro e autora do livro Cães de guarda: jornalistas e censores, do AI-5 à constituição de 88, que mostra a ação da censura, as motivações, os temas censurados e a pressão de segmentos da sociedade contra a censura; o jornalista Álvaro de Moya, ex-diretor da TV Excelsior, emissora fechada pelo governo durante o regime militar; e a professora de Sociologia da UNESP Anita Simis, autora do livro Estado e Cinema no Brasil, um estudo dos filmes produzidos e exibidos no cinema e na televisão durante a ditadura.

“A televisão é uma concessão pública e por isso a necessidade de que ela andasse muito alinhada com o governo, porque, caso contrário, a concessão seria retirada”, analisa Beatriz Kushnir.

Álvaro de Moya lembra da perseguição aos veículos que se opuseram à linha editorial do governo. “O golpe militar acabou com a TV Excelsior e acabou com um grande capitalista brasileiro, Wallace Simonsen. Ele era a favor da democracia, ele era a favor do presidente da república ser democraticamente eleito.”

Para Anita Simis “os meios de comunicação são meios-chave em qualquer tentativa de mudança ou alternância no poder... Aqueles que querem dar um golpe tentam controlar a mídia”, afirma.


 
Apresentação: Lalo Leal
Produção: Aline Penna, Vitor Chambon Patrícia Lima
Roteiro: Lumi Kihara
Direção: Pola Galé
 

Nenhum comentário: